terça-feira, 30 de junho de 2009

Entrevista na Antena 1 e as vedações em Linda-a-Velha

Quem estiver interessado em ouvir as declarações do Presidente da Federação Portuguesa de Golfe e as nossas sobre a construção do campo de golfe pode aceder ao site da Antena 1 e ouvir o programa "Portugal em Directo" difundido hoje à hora de almoço. As entrevistas em causa vão do minuto 6:35 ao minuto 11:30.


Informaram-nos que os moradores de Linda-a-Velha chamaram a polícia ontem e também que derrubaram novamente as vedações. Voltamos a insistir que a primeira atitude é que está correcta - devem chamar a polícia tantas vezes quantas as necessárias porque até prova em contrário (que ainda não foi feita), trata-se duma obra ilegal (por vários motivos). Também podem insistir junto da Junta de Freguesia de Linda-a-Velha para que sejam tomadas medidas de protecção da mata.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Ainda quanto às vedações em Linda-a-Velha

Ainda quanto a esta questão, sugerimos aos moradores que chamem a Polícia Municipal caso se verifique algum corte de árvores ou movimentação de terras no local, pedindo-lhe para vir parar as obras. Podem fazer referência à providência cautelar que se encontra pendente no Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra (Processo nº 664/09.0 BESNT da 3ª Unidade Orgânica) e que já decretou a proibição do corte de árvores e destruição do coberto vegetal.
Pedimos ainda que se mantenha a calma. Sabemos como as pessoas se sentem revoltadas por terem sido enganadas e lhes terem mentido, mas não serve de nada perder a cabeça...

Vedações reerguidas em Linda-a-Velha

O IDP voltou a reerguer as vedações em Linda-a-Velha, depois de estas terem sido derrubadas pelos moradores na sexta-feira. Foi também afixada uma placa a dizer que o dono da obra é o IDP e que as vedações fazem parte da empreitada de construção do campo de golfe.

Pedimos aos moradores que se mantenham atentos e nos avisem imediatamente se se verificar algum corte de árvores ou movimentação de terras.

domingo, 28 de junho de 2009

Novidades

Segundo notícias veiculadas pela imprensa de hoje (DN), a Câmara Municipal de Oeiras (CMO) decretou o embargo das obras. A ser verdade, esta decisão só peca por ser tardia porque a CMO tem conhecimento oficial desta obra há mais de um mês, data em que pedimos formalmente acesso ao processo de licenciamento da mesma.

Neste espaço de tempo, foram arrasados mais de 200.000 metros quadrados de terreno, cortadas inúmeras árvores e vedado o acesso a uma área considerável por parte dos utilizadores, com prejuízos incalculáveis para a fauna, a flora e a nossa qualidade de vida.

Esperamos que o IDP faça agora propostas para utilização dos terrenos em causa que (1) respeitem a lei; (2) respeitem o ambiente ; (3) respeitem as condicionantes decorrentes de se tratar de leito de cheias e domínio hídrico público; e (4) respeitem os utilizadores do Estádio Nacional, permitindo o seu acesso a esses espaços, sem vedações nem limitações descabidas.

Julgamos que todos ficaremos satisfeitos se procederem à requalificação desses terrenos, dentro das condicionantes já enunciadas. Julgamos também que todos verão com bons olhos o melhoramento das instalações do actual Campo de Treino da Federação Portuguesa de Golfe já existentes no local, nomeadamente através da substituição das vedações actuais (que não oferecem condições de segurança aos outros utilizadores).

Por nós, vamos levar este processo até ao fim e contamos com todos vós.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Confirmam-se as piores suspeitas em Linda-a-Velha!

Pois é, hoje os moradores de Linda-a-Velha, junto ao moinho, foram confrontados com a vedação duma vasta área de mata, precisamente naquela zona onde o IDP declarou ao Nós por Cá da SIC que apenas tinha abatido árvores "doentes" e espécies "infestantes".


Fomos lá agora e falámos com um trabalhador e o encarregado. Ambos confirmaram que a vedação corresponde ao estaleiro de construção do depósito de água para irrigar o campo de golfe.


Acontece que o tribunal decretou que os promotores (IDP e Federação Portuguesa de Golfe) e os construtores do campo de golfe não podem destruir mais coberto vegetal. Isso significa que não podem, entre outras coisas, fazer buracos, cortar mato ou retirar solo do local. Por favor, se isso acontecer, tirem fotografias e contactem-nos por e-mail: amigosestadionacional@gmail.com o mais rapidamente possível! Infelizmente estamos numa situação em que temos de ser nós a fazer de fiscais de obras e polícias e temos de ser nós próprios a zelar pela mata!


Há um mérito em tudo isto: é que agora sabemos ao certo com que tipo de gente estamos a lidar...

Três razões para continuarmos...







Obrigado a todos que nos têm enviado fotos e vídeos!
Relembramos que amanhã vamos estar junto ao café do ténis das 10h às 13 para recolhermos mais assinaturas e distribuirmos panfletos. Estamos também ao dispor de todas as pessoas que nos queiram conhecer ou obter qualquer esclarecimento sobre as nossas iniciativas.


quinta-feira, 25 de junho de 2009

Próximas iniciativas

No próximo sábado, vamos distribuir mais panfletos e recolher assinaturas para o abaixo-assinado no Estádio Nacional (entre as 10h e as 13h). Vai haver pessoas a circular um pouco por todo o CDJ e vamos ter um "posto fixo" no passeio oposto ao café do ténis.

Na próxima segunda-feira, dia 29, pelas 15 horas, vai haver uma sessão da Assembleia Municipal de Oeiras na Biblioteca Municipal. O público fala no fim da reunião, pelas seis, sete horas. Qualquer pessoa pode intervir. Por isso, quem quiser participar pode e deve fazê-lo porque é uma ocasião única para questionar o executivo camarário sobre o que se passa no Estádio Nacional. Apareçam!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Perspectiva geral das obras



E aqui fica uma perspectiva geral das obras da fase 1, em que se podem ver os montes de terra de que temos andado a falar.

Ambas as fotografias (e muitas outras) foram tiradas hoje por um grande amigo do Estádio Nacional. Obrigado!

Fotografias de hoje

Isto é uma vista sobre os campos de rugby, já devidamente enquadrados ao fundo pelos montes de terra do campo de golfe, a pouquíssimos metros da extrema do campo.












terça-feira, 23 de junho de 2009

Porque é que as obras ainda não pararam no Jamor?

Esta é uma pergunta que muita gente tem feito...

Infelizmente, é assim: há sempre quem faça interpretações "criativas" das decisões judiciais...

O tribunal de Sintra ordenou-lhes que não cortassem nem mais uma árvore nem destruissem mais coberto vegetal.

Eles interpretaram esta ordem no sentido de que podem fazer tudo menos cortar árvores e decapar o terreno.

Logo que nos apercebemos disso (logo a seguir à providência cautelar ser decretada), entregámos um requerimento no tribunal a pedir que o alcance da decisão do tribunal fosse esclarecido porque não destruir o coberto vegetal significa muito mais do que não decapar o terreno; significa também não cobrir o solo com terras estranhas, muito menos cheias de herbicidas e desinfestantes e a seguir plantar relva por cima...

Neste momento, estamos à espera que o tribunal se pronuncie.

Por outro lado, é melhor começarmos todos a pedir ao S. Pedro que não chova. Da forma como a obra está a ser conduzida, com montes de terra imensos ao lado do rio e em leito de cheias, se chover pode acontecer um desastre de proporções incalculáveis.

Onde é que estão as autoridades com poderes de fiscalização nesta matéria?

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Um dia a assinalar!

Hoje, o nosso blogue ultrapassou os 1.000 visitantes desde 10 de Junho, data em que colocámos o respectivo contador, e a nossa petição online está prestes a atingir as 600 assinaturas!

Para as dezenas de pessoas que nos têm ajudado nesta causa, o nosso muito obrigada!


Continuamos a trabalhar arduamente, tanto na divulgação pública desta causa, como no processo judicial e contamos convosco! Até sempre.

domingo, 21 de junho de 2009

Assinaturas recolhidas

Sem querer, induzimos os jornalistas em erro porque pensavamos ter mais uma folha de assinaturas do que tínhamos realmente... Agora é que contei e não são nem 150 (como eu lhes tinha dito) nem quase 100 (como disse na minha mensagem anterior). São 110... Desculpem o engano!

Recolha de assinaturas para o abaixo-assinado

Hoje a recolha de assinaturas para o abaixo-assinado no Estádio Nacional correu muito bem! Passaram por lá quase 100 pessoas, de propósito para assinar.

Foi também uma ocasião para conhecermos melhor algumas pessoas que nos têm ajudado e para trocar impressões. Muita gente ofereceu-se para ajudar, como testemunha no contexto do processo judicial, na mobilização da população, com estudos fotográficos da flora do CDJ feitos nos últimos 4 anos, com conhecimentos especializados e de muitas e muitas outras maneiras...

A todos, muito obrigada!

Aproveitamos desde já para informar que vai haver uma nova recolha de assinaturas no próximo sábado, dia 27 de Junho, entre as 10 e as 13, junto ao portão principal de entrada junto aos courts de ténis.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Área ocupada pelo campo de golfe


Algumas pessoas têm dito que o campo de golfe não vai ocupar a pista de corta-mato. Para esclarecer de vez todas as dúvidas, mostramos aqui o mapa que foi afixado pelas entidades oficiais no CDJ, no passado dia 15 de Maio (a propósito do Dia da Família).


Toda a área gigantesca a negro no topo do mapa (com os dois "laguinhos"), a seguir aos campos de râguebi (na margem oeste) e à Quinta das Biscoiteiras (na margem leste) do Jamor e até à auto-estrada é a área afecta ao campo de golfe no CDJ.

Esperamos que isto esclareça de vez o que está em causa. Deve ter-se em mente que o campo de golfe tem duas fases, como já foi admitido pelas autoridades oficiais. As obras em curso dizem respeito apenas à fase 1.

Já nos perguntaram também porque não falamos com as autoridades oficiais. Pois é... podem crer que tentámos e tentámos tanto que neste momento tivemos de pôr uma acção em tribunal para que nos respondessem. É que as autoridades oficiais (IDP e CMO) estão a negar-nos acesso a informações que temos o direito de conhecer. Por isso, ninguém nos pode acusar de não nos termos querido informar mais. Já o IDP e a CMO podem ser acusados de não nos responderem, como foram em tribunal.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Tribunal manda parar as obras!

Hoje ganhámos uma primeira batalha: o tribunal mandou parar imediatamente as obras do campo de golfe, a título provisório (até à providência cautelar ser julgada).

Isso significa que temos de estar muito atentos! Por favor, quem vai com frequência ao estádio ou mora na zona de Linda-a-Velha, passe a tomar nota de qualquer movimentação (movimentações de terras, abates de árvores, destruição do coberto vegetal) e avise-nos imediatamente para que possamos comunicar esse facto ao tribunal e pedir para serem multados, caso eles não cumpram a ordem de paragem.

Idealmente, tirem fotografias e notas com datas e façam-nos chegar tudo por e-mail (amigosestadionacional@gmail.com).

Esta é apenas uma primeira batalha duma guerra que pode ser longa. Por isso, mais do que nunca, precisamos da ajuda de todos. Obrigada!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Providência cautelar aceite

Desta vez, são mesmo boas notícias: a nossa providência cautelar foi aceite pelo tribunal, que já mandou citar os requeridos (o IDP, a Federação Portuguesa de Golfe e os empreiteiros) para se pronunciarem sobre o pedido de decretamento provisório da medida pedida (paragem das obras) e para se oporem à providência. Por isso, esperamos poder dar-vos mais notícias com alguma brevidade.


Do lado mau, as máquinas pararam mesmo para fazer ponte porque hoje já estão a trabalhar a toda a força...


Estamos agora a organizar a recolha de assinaturas do próximo dia 21 de Junho (domingo) entre as 9 e as 13 junto à pista de corta-mato. Não se esqueçam de aparecer por lá nesse dia!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Boas (?) e péssimas notícias...

Hoje as máquinas de movimentação de terras estão paradas na margem oeste do Jamor. Será que a ARH e/ou a CMO resolveram embargar as obras por falta de licenciamento? Seria uma excelente notícia, mas também se pode dar o caso de estarem apenas a fazer ponte.... Vamos a ver!

Na margem leste, ou seja, junto à pista de corta-mato, as notícias não podiam ser piores. Abateram várias árvores de grande porte e há outras mais marcadas para abate. Como até agora, é tudo feito pela calada: os camiões carregados de troncos já estavam a sair de lá às 9 da manhã... Carregaram de noite ou começaram a trabalhar de madrugada?

quarta-feira, 10 de junho de 2009

A providência cautelar deu entrada no tribunal!

Bom dia a todos!

Depois de muito trabalho, a providência cautelar a solicitar a paragem imediata das obras do campo de golfe deu entrada esta segunda-feira.

Em termos genéricos e simples, o que nos moveu baseia-se nos argumentos seguintes:

1. Não há quaisquer sinais de que as obras tenham sido licenciadas pela CMO, como deveriam, já que se trata de infra-estruturas desportivas de uso público e o IDP não está dispensado de obter tal licença ao abrigo da legislação aplicável.

2. Também não há sinais de que as obras tenham sido licenciadas pela ARH, como deveriam, já que se estão a desenvolver em domínio hídrico público e pleno leito de cheias.

4. Estes factos patentes e verificáveis por qualquer pessoa (basta ver a total ausência de informação nas vedações do estaleiro da obra, com excepção dos dados relativos a um dos empreiteiros), suscitam fundadas suspeitas sobre a legalidade dos trabalhos em causa.

5. Acresce que, apesar de termos solicitado acesso aos competentes processos administrativos, um direito que nos assiste, esse acesso nos foi negado tanto pela CMO como pelo IDP, estando ainda a aguardar informações por parte da ARH, cujo prazo para o fazer ainda não terminou. Relativamente à CMO e ao IDP, vimo-nos já obrigados a interpor uma acção judicial de intimação de prestação de informações.

5. Por outro lado, o Complexo Desportivo do Jamor é “um grande parque, sem luxo, de relvados frescos e árvores copadas, onde a gente de Lisboa brinque, ria, jogue, tome o ar puro, e verdadeiramente se divirta em íntimo convívio com a natureza", e “um lugar de recreio e escola de desportos para todos, mesmo para os que queiram utilizá-lo sem objectivos de competição”, tal como foi anunciado aquando da sua criação e reafirmado depois pelos responsáveis da época, nos anos 40. Foi para este fim que os terrenos foram expropriados.

6. Este fim é totalmente incompatível com a construção de um campo de golfe, que irá reservar para uso duma ínfima parcela de jogadores de golfe uma área imensa, hoje utilizada diariamente por muitíssimas pessoas. Os terrenos em causa correspondem a 10% da área total do CDJ, mas (pasme-se!) a cerca de 50% da zona de vale e a construção do campo de golfe implica a destruição da actual pista de corta-mato e dos inúmeros trilhos e caminhos utilizados para a prática de desporto ou, simplesmente, para passear!

7. Não nos devemos também esquecer que nada se sabe sobre como serão suportados os (elevadíssimos) custos anuais de manutenção do referido campo de golfe, havendo, por isso, justo motivo para achar que serão financiados com o dinheiro dos nossos impostos, como já acontece com a sua construção (segundo a imprensa, um investimento na ordem dos 6 milhões de euros).

8. A modulação do terreno necessária para construir o campo de golfe, com enormes aterros em pleno leito de cheias, vai criar obstáculos artificiais ao espraiamento das águas em caso de cheias graves. Esse espraiamento é necessário para evitar prejuízos maiores tanto a montante como a jusante. Em consequência, é imperioso impedir a criação de obstáculos em leito de cheias que ponham em risco pessoas e bens.

9. O facto dos terrenos em causa serem praticamente a única zona de vale não intervencionada em termos invasivos permitiu a criação dum ecossistema importante e fundamental para a biodiversidade do CDJ, a apenas 6 quilómetros de Lisboa. Na verdade, vivem nessa zona patos bravos, coelhos bravos, animais de rapina e outros animais de menor porte totalmente dependentes desse ecossistema para se alimentarem e reproduzirem.

10. A criação do campo de golfe vai implicar a sua morte. Se nada for feito, já na próxima Primavera, em vez de se verem campos cobertos de flores de todas as cores, tamanhos e feitios e o ar cheio de cheiros novos a anunciar o recomeço dum novo ciclo de vida, observar-se-á (do outro lado da vedação, é claro) a mesma relva de aviário que lá estava durante o Verão, o Outono e o Inverno e que será igual à dos cerca de 20 campos de golfe existentes na região de Lisboa e dos cerca de 70 existentes a nível nacional. Por isso, esse ecossistema é um valor a preservar, uma das poucas áreas às portas de Lisboa onde a população pode contactar com a natureza, sendo que a população não deve ser privada desse direito.

11. O chocante consumo de água que a construção e manutenção do campo de golfe implicam irá colocar pressões extremas sobre a sustentabilidade dos recursos hídricos locais, em clara contradição com os objectivos anunciados a nível governamental de promover o uso racional de um bem escasso como é a água.

12. A construção de um campo de golfe junto à auto-estrada mais movimentada do país, a A5, é apta para pôr em causa a segurança de milhares de automobilistas. A este propósito, convém recordar o trágico acidente que aconteceu nessa mesma auto-estrada há alguns anos, devido exactamente a uma bola de golfe provinda de um campo contíguo na zona do Estoril...

Para terminar, é devida uma palavra de grande apreço e profunda gratidão ao Dr. Bernardo Reis, o nosso advogado, cuja dedicação a esta causa comum ultrapassou e muito o que lhe seria exigido estritamente como profissional. Muito obrigada!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Moderação de comentários e novidades

Como alguns já repararam, tivemos de activar a moderação de comentários para impedir que fossem publicados comentários com conotações partidárias e/ou conteúdos totalmente inadequados.

O apoio à nossa causa é bem-vindo, independentemente da cor partidária do cidadão em causa, mas não vamos deixar que o blogue seja usado para campanha eleitoral ou outras actividades similares. Por isso, para além da activação da moderação de comentários, houve um comentário que foi retirado devido ao seu conteúdo político-partidário e apresentamos desde já as nossas desculpas à pessoa visada nesse mesmo comentário, pelo sucedido.

Este é um projecto de cidadania, não de partidos políticos.

Quanto à causa que nos move, a providência cautelar foi ultimada e deverá já ter dado entrada no tribunal. Amanhã espero poder dar-vos mais detalhes sobre esta matéria, nomeadamente sobre a nossa argumentação e os prazos com que estamos a contar.

A assinatura da petição online corre a bom ritmo; hoje ultrapassámos as 170 assinaturas! Não deixem de enviar aos vossos contactos ou, se preferirem, passarem no Estádio Nacional junto à pista de corta-mato (ou "crosse", como se diz agora), no dia 21 de Junho, domingo, entre as 9 e as 13, para porem a vossa assinatura no abaixo assinado.

Até breve.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Petição - problemas no acesso

Temos verificado que se continuam a verificar alguns problemas no acesso, aos quais somos totalmente alheios, mas para os quais pedimos a vossa melhor compreensão!
Bom dia!


A acção de intimação para prestação de informações entrou ontem.

Quanto à petição, ontem à noite verificaram-se alguns problemas no acesso, mas hoje de manhã já estão resolvidos.

Quanto aos abaixo-assinados, será melhor que o texto fique igual ao que está na petição online e é o seguinte:

"A população e os utilizadores do Estádio Nacional estão frontalmente contra o projecto de implantação de um campo de golfe nos terrenos do Complexo do Estádio Nacional e pedem que este projecto seja cancelado e que as obras em curso parem imediatamente."

Relembramos que podem organizar abaixo-assinados na vossa zona, que podem entregar directamente no Instituto de Desporto de Portugal ou pedirem-nos para os irmos recolher para juntar às assinaturas que vamos recolher no próximo dia 21.

Nos próximos dias, vamos finalizar a providência cautelar e por isso é natural que não tenhamos capacidade para responder a todos com a rapidez desejada, mas na 2ª estamos de volta!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Ponto da situação

A nossa petição está online e já pode ser assinada! Por favor, divulguem o máximo que puderem.

O pacote destinado à imprensa foi distribuído ontem e hoje uma jornalista já esteve connosco no Estádio Nacional a ver a situação no local. Na próxima semana já deve sair a reportagem de uma outra jornalista que esteve lá connosco no início desta semana.

Ainda hoje, deve dar entrada a acção judicial de intimação para prestação de informações, pois nem o IDP nem a CMO nos facultaram as informações que lhes foram pedidas. A distribuição de panfletos também começou hoje (modestamente, que a nossa disponibilidade é pequena) na zona de Linda-a-Velha, Cruz Quebrada e Estádio Nacional. Amanhã, ainda deveremos distribuir alguns panfletos, sendo os restantes distribuídos mais perto de dia 21 de Junho.

Estimamos que a providência cautelar possa entrar na 2ª feira. Como devem calcular, trata-se dum trabalho que exige muito cuidado e, por isso, embora sendo urgentíssimo, tem de ser feito com toda a cautela e ponderação.

Esta semana será também preparado um dossier para ser entregue na Comissão de Educação da Assembleia da República, a comissão parlamentar competente em matéria de desporto.

Naturalmente, todas as sugestões que nos queiram dar são bem vindas e contamos com todos, pois não seremos demais.

Até breve,

terça-feira, 2 de junho de 2009

Novidades

Aqui estou eu a fazer o ponto da situação.

Comecemos pelas coisas tristes: os esclarecimentos que obtive telefonicamente junto dum assessor da Secretaria de Estado da Juventude e Desportos foram que os terrenos são do IDP; que o IDP pode fazer lá o que bem entender e que o Estado não tem qualquer obrigação para com os utilizadores do Complexo Desportivo do Jamor. Sem comentários!

As acções a interpor em tribunal avançam em bom ritmo! Se tudo correr bem, entram ainda esta semana. Esta parte é fundamental porque a prioridade é fazer parar as obras.

Quanto à informação da população, na 5ª feira fazemos a primeira volta da distribuição dos folhetos. A segunda volta será feita mais próxima do dia 21 de Junho.

Estamos a preparar um pacote para a imprensa, que vai ter distribuição alargada, porque é sempre uma forma privilegiada de divulgar a nossa mensagem.

A petição online deve ficar disponível ainda hoje. Quando isso acontecer, não deixaremos de vos informar.

Para terminar, o movimento de cidadãos à volta do Complexo Desportivo do Jamor começa a ganhar alguma dimensão. Por isso, vamos criar a Associação dos Amigos do Complexo Desportivo do Jamor para intervir activamente na defesa e promoção deste espaço de desporto e lazer de que tanto gostamos e que está agora sob fogo cerrado de interesses que lhe são alheios.

Quando a parte das formalidades ficar pronta, vamos disponibilizar fichas de inscrição para quem se quiser juntar a nós neste projecto de cidadania de proximidade (para usar linguagem da moda...).

Até breve!

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Proteste!

Aqui fica o texto do panfleto que vamos distribuir nos próximos dias. Divulgue ao máximo!

***

O Instituto de Desporto de Portugal (IDP), em parceria com o Instituto de Turismo de Portugal e a Federação Portuguesa de Golfe preparam-se para implantar um campo de golfe de 18 buracos nos terrenos do Estádio Nacional, que hoje são de acesso livre. O campo de golfe vai ocupar uma área de 22 hectares e o custo de construção previsto é de 6 milhões de euros!

As poucas informações existentes indicam que a população em geral deixará de ter acesso a esses terrenos (mais de metade da zona de vale). Incluem a actual pista de corta-mato (que vai desaparecer) e ficarão vedados a toda a volta. Está ainda prevista a construção dum depósito de água em plena mata do Estádio Nacional, com o consequente corte de árvores que, aliás, já começou e está à vista de toda a gente.

A implantação dum campo de golfe nos terrenos do Estádio Nacional tem ainda graves impactos ambientais em termos de consumo de água, destruição do coberto vegetal natural, perturbação da fauna local e construção em leito de cheia, mesmo assumindo que a dispersão de herbicidas e pesticidas no ambiente ficaria salvaguardada.

Não é verdade que não existam campos de golfe públicos em Portugal, existem cerca de 70 onde qualquer pessoa pode jogar. Não existem é muitos campos de golfe pagos com o dinheiro do Estado (dos nossos impostos), nem parece que façam falta, quando se sabe que existem cerca de 20 campos de golfe, só na região de Lisboa, e que nada impediria a celebração de protocolos entre o Estado e alguns desses campos para promover o ensino de golfe.

Proteste! Não deixe que terrenos que são de todos fiquem reservados para alguns! No dia 21 de Junho passe na pista de corta-mato entre as 9h e as 13h para pôr o seu nome no abaixo-assinado de protesto. Se preferir, organize um abaixo-assinado na sua zona e envie-nos um e-mail (amigosestadionacional@gmail.com) para o irmos recolher ou entregue-o directamente no Instituto de Desporto de Portugal. Não fique indiferente e lute pelo que é de todos e não só de alguns!

Texto do abaixo assinado:

“A população e os utilizadores do Estádio Nacional estão frontalmente contra o projecto de implantação de um campo de golfe nos terrenos do Estádio Nacional.”

Um grupo de amigos do Estádio Nacional http://www.xxx.blogspot.com/