terça-feira, 23 de junho de 2009

Porque é que as obras ainda não pararam no Jamor?

Esta é uma pergunta que muita gente tem feito...

Infelizmente, é assim: há sempre quem faça interpretações "criativas" das decisões judiciais...

O tribunal de Sintra ordenou-lhes que não cortassem nem mais uma árvore nem destruissem mais coberto vegetal.

Eles interpretaram esta ordem no sentido de que podem fazer tudo menos cortar árvores e decapar o terreno.

Logo que nos apercebemos disso (logo a seguir à providência cautelar ser decretada), entregámos um requerimento no tribunal a pedir que o alcance da decisão do tribunal fosse esclarecido porque não destruir o coberto vegetal significa muito mais do que não decapar o terreno; significa também não cobrir o solo com terras estranhas, muito menos cheias de herbicidas e desinfestantes e a seguir plantar relva por cima...

Neste momento, estamos à espera que o tribunal se pronuncie.

Por outro lado, é melhor começarmos todos a pedir ao S. Pedro que não chova. Da forma como a obra está a ser conduzida, com montes de terra imensos ao lado do rio e em leito de cheias, se chover pode acontecer um desastre de proporções incalculáveis.

Onde é que estão as autoridades com poderes de fiscalização nesta matéria?

6 comentários:

  1. "com montes de terra imensos ao lado do rio e em leito de cheias, se chover pode acontecer um desastre de proporções incalculáveis."

    Por amor de deus... Quem não passa por lá até pensa que fizeram uma barragem no jamor... Enfim...

    Como dizia um senhor para um jornal: "Há 37 anos que isto está abandonado. Agora que vêem uma requalificação opõem-se a ela"

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Não, ainda não fizeram nenhuma barragem no Jamor, podem ficar descansados... Fizeram foi enormes montes de terra, um pouco por toda a zona ao longo das margens e junto aos campos de rugby, como qualquer um poderá comprovar.

    Tem ideia do que pode acontecer se vier uma chuvada mais forte?

    Quanto à requalificação, ninguém se está a opor à requalificação; estamos a opor-nos a esta "requalificação".

    Um abraço e obrigado pelo seu contributo para esta discussão.

    ResponderEliminar
  3. "Terras estranhas"

    Desde há alguns anos que têm sido depositadas, um pouco por todo o lado, terras estranhas na mata do Jamor. Na zona circundante à estrada da Carreira de Tiro são bem visíveis as canas que vão rebentando, cada vez com mais força.

    ResponderEliminar
  4. Vim hoje a este blog e ainda não percebi se estão a brincar ou se são mesmo ignorantes !
    As terras que estão naquilo que chamam Jamor não estão ali por proveniencia divina ... são as terras que "sobraram" à muitos anos da construção do estádio do Jamor. Aquelas que estão a ser postas por cima são do recinto de atletismo que está a ser criado.
    Gostaria somente de referir que o golfe não é um desporto de ricos ... é somente o desporto mais praticado no mundo inteiro. Não sejam burros ... informem-se !!!
    Braga

    ResponderEliminar
  5. Sr. Pedro,

    Vê-se mesmo que não está informado(será que é mesmo de Braga?), nem sabe o que é o golfe, se não de certeza que não diria que é o desporto mais praticado no mundo inteiro... Mas numa coisa tem razão, as terras que estão a ser usadas para construir do campo de golfe têm origem, pelo menos em parte, numa outra obra que o IDP está lá a fazer. Se é um recinto de atletismo, sabe mais do que nós porque ainda não vimos lá nada a dizer tal coisa.
    Para terminar, permitimos que o seu comentário fosse publicado, apesar de nos estar a insultar, para que toda a gente possa ver as diferentes opiniões sobre o assunto. No entanto, se este blogue o incomoda e é escrito por ignorantes e burros, talvez seja melhor não voltar a visitar-nos.

    ResponderEliminar
  6. À parte os insultos, o recinto de atletismo está mesmo a ser construído, até já colocaram um guindaste, agora se não tem lá nada escrito, isso já remete para outro problema... é que se tem cartazes é porque é propaganda do governo se não tem é porque é mais um projecto confidencial... Temos que ser neutros. Não diz nessa obra como não diz em muitas outras que colocam aqueles "AVISOS" preenchidos com tinta para durar 1 dia... De novo, quanto às terras, ontem passei por lá, como costume, e não acho que o perigo seja tão grande como o enunciado no artigo.

    Um abraço

    ResponderEliminar