sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Incompatibilidade com outros desportos e actividades de lazer

Ao contrário do que foi afirmado pelo IDP e pela FPG, a implantação de um campo de golfe no CDJ é incompatível com a prática de qualquer outro desporto ou actividade de lazer nesses terrenos.

Na verdade, resulta da documentação entregue em tribunal pela FPG e também do processo administrativo consultado no IDP, relativos à 1ª fase, que o campo de golfe ficará vedado a toda a volta, desde o acesso a Linda-a-Pastora por baixo da auto-estrada, passando pela zona contígua aos campos de râguebi e até à margem do rio. Haverá uma única entrada, junto das novas edificações que pretendem lá implantar, não muito longe das existentes actualmente.

Todos os caminhos e trilhos existentes desaparecem, sendo substituídos por mero troços sem continuidade para permitir pequenas deslocações dentro do campo de golfe, obviamente não para praticar qualquer outro desporto nem qualquer outra actividade que não o golfe.

Não haverá nenhuma pista circundante do campo em que se possa correr ou andar de bicicleta. Toda aquela zona fica pura e simplesmente vedada e reservada a uso exclusivo dos praticantes de golfe ou frequentadores das estruturas sociais e de apoio (restaurante e loja).

E é assim que a população em geral deixaria de poder usufruir de mais de metade da zona de vale do Estádio Nacional ...

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Apoio da Quercus!

Estamos muito contentes por termos recebido recentemente uma oferta de apoio concreto por parte da Quercus.

Daqui para a frente, contamos com ajuda especializada na parte ambiental, duma associação com provas dadas na matéria. Já realizámos uma primeira reunião para discutir alguns pontos e estamos certos que esta colaboração nos ajudará a alcançar os nossos objectivos comuns: defender o meio ambiente e o bem estar das populações.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Recolha de assinaturas em Linda-a-Velha

Graças a um membro do projecto Iniciativa Jovem, está a decorrer a recolha de assinaturas em vários estabelecimentos comerciais de Linda-a-Velha contra o projecto de construção do campo de golfe.



Obrigado Iniciativa Jovem e obrigado aos comerciantes que estão a participar!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Acesso ao processo administrativo do IDP

Hoje fomos recebidos no IDP com muita cortesia e foi-nos facultado acesso ao processo administrativo.

Constatámos que o processo é essencialmente composto por um despacho e pelo processo de concurso público e empreitada de construção.

Iremos agora solicitar cópia das partes consideradas relevantes para efeitos do processo judicial.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Serão plantadas "mais de 1.000 árvores" disseram eles...

Tanto o IDP como a FPG afirmaram repetidamente que seriam plantadas "mais de 1.000 árvores" para substituir as cortadas para construir o campo de golfe. Foi também afirmado que se trataria de espécies "autóctones".

Ora bem, foi-nos dada a listagem completa das tais "árvores" no contexto do processo judicial. O número de "árvores" ascende precisamente a 1.617, das quais 772 afinal são arbustos ou plantas de porte arbustivo (558 aloés, 208 fórmios e 6 alfeneiros do Japão), correspondentes a 47,74% do total.

Das verdadeiras árvores, em número de 845 (menos de 1.000, portanto), 18,43% são espécies autóctones (208 pinheiros mansos, 62 pinheiros bravos, 21 freixos e 7 olaias) e, pasme-se, 81,57% são espécies exóticas ou introduzidas.

Do total de espécimens vegetais, 76% (1.229 espécimens) correspondem a aloés, fórmios, cedros e ciprestes, tudo espécies exóticas ou introduzidas. Teríamos portanto uma alteração radical da paisagem no Estádio Nacional, com plantação em massa de plantas de porte arbustivo originárias da África do Sul e da Nova Zelândia e árvores oriundas de quase todo o lado, menos daqui...

Obviamente, estas espécies poderão ter valor ornamental, mas têm pouco ou nenhum valor ecológico e não são aptas a sustentar a vida animal existente no local, ao contrário do coberto vegetal que foi destruído e do que estava prestes a sê-lo.

E aqui temos mais um exemplo da "responsabilidade ambiental" dos promotores desta obra!

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Ainda a área... e os 9 ou 18 buracos

Em resposta aos pedidos de esclarecimentos e dúvidas sobre a área afecta ao campo de golfe, resolvemos fornecer informações mais pormenorizadas sobre esta questão.

Com base nas medições para efeitos de orçamentação das obras da fase 1 apresentadas em tribunal pela FPG e nalgumas informações adicionais fornecidas pelo IDP, também em tribunal, na fase 1 temos cerca de 15,5 hectares com relva, cerca de 3,4 hectares com arvoredo e cobertos com casca de pinheiro na zona de "rough", cerca de 4,4 hectares de sementeira na zona de "rough" e um lago com 0,5 hectare. Tudo somado, dá 23,8 hectares. Deve notar-se que esta área não inclui os caminhos nem as infra-estruturas, de forma que se pode dizer que a área total implicada na fase 1 ascende seguramente a mais de 24 hectares.

Quanto à fase 2, por ocasião do Dia da Família, em Maio deste ano, foi afixado um cartaz no CDJ pelas autoridades oficiais que mostrava as duas fases do campo de golfe. Pegando nesse cartaz e nos mapas do CDJ, consegue calcular-se com alguma facilidade que a fase 2 abrange uma área na casa dos 10 hectares, provavelmente mais.

Por isso, no total, o campo de golfe iria ocupar pelo menos 34 hectares dos terrenos do CDJ, ou seja, mais de 340.000 metros quadrados.

Deve também esclarecer-se que resulta da documentação entregue em tribunal que o projecto é para construção de um campo de golfe de 18 buracos, no total das fases 1 e 2, e é esse projecto que estamos a contestar - a providência cautelar diz respeito à totalidade do projecto e não apenas à fase 1.

Provavelmente, as obras só foram divididas em duas fases numa tentativa lamentável de evitar ter de fazer logo o Estudo de Impacto Ambiental (obrigatório para campos de golfe com um número igual ou superior a 18 buracos) - a chamada esperteza saloia - e de não chamar tanto a atenção das populações - a chamada política do facto consumado...

Vir agora dizer que o campo de golfe é "só" de 9 buracos revela o maior descaramento - essa alegação é contrariada pelas notícias da comunicação social da época do lançamento das obras, pela documentação entregue em tribunal e também pelo facto que as obras da fase 2 estavam previstas para começar já em Setembro/Outubro. Isso talvez não aconteça agora apenas por causa da contestação que se gerou à volta deste processo.

sábado, 15 de agosto de 2009

Assinaturas dos moradores de Caxias

Na sexta-feira, foram-nos entregues 2 folhas cheias com assinaturas dos moradores de Caxias recolhidas por um dos nossos Amigos do Estádio Nacional. Obrigado Eduardo!

Limpeza da mata - zona junto à Cruz Quebrada

Embora faça alguma pena olhar para a mata "despida" na zona junto à Cruz Quebrada, damos os nossos parabéns aos gestores do CDJ. Todos os problemas notados por muitos utilizadores foram resolvidos: já não há pilhas de troncos empilhadas e lixo e os caminhos estão transitáveis.

Assim, tudo indica que em breve tudo estará um brinquinho e só voltaremos a falar deste assunto para dar boas notícias...

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Novidades da manutenção do estádio

Faz hoje cerca de uma semana que foi feita uma "limpeza" radical na zona junto à Quinta das Biscoiteiras.

Mais uma vez, a falta de formação do pessoal e a falta de supervisão dos responsáveis levou a que fosse cortado tudo a eito, mesmo o que não o deveria ter sido, por exemplo os abrunheiros bravos (Prunus spinosa) e as silvas de amoras (Rubus ulmifolia).


Por outro lado, faz também cerca de uma semana que o lixo que ficou à vista, dando uma imagem lamentável desses terrenos, continue exactamente no mesmo lugar, como estão no mesmo lugar há meses os restos de cadeiras do Estoril Open. Por favor, recolham o lixo!

No âmbito dessa "limpeza", destruiram também os trilhos de downhill do BTT. Sabemos que havia queixas porque alguns praticantes não respeitavam os direitos de outros utilizadores, mas sabemos também que houve praticantes responsáveis de downhill que se reuniram com os gestores do CDJ e propuseram soluções para ultrapassar esses problemas. Ficaram sem resposta... Porquê? Não nos venham dizer que era impossível compatibilizar os trilhos de downhill com as outras actividades: bastaria um pouco de bom senso!

Nessa "limpeza" arrasaram também com uma boa parte dos trilhos na zona superior da mata junto a Linda-a-Velha. Os restos de mato e árvores deixados no local são de tal dimensão que não é hoje possível andar de bicicleta nem caminhar nesses locais.

Senhores, qual é a vossa visão para o Complexo do Estádio Nacional? Um vale construído à exaustão, combinado com um campo de golfe vedado de mais de 30 hectares e uma mata de pacotilha para admirar, mas não para utilizar fora dos caminhos principais???

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Estaleiro junto às piscinas

Fomos informados que o estaleiro que está instalado por trás das piscinas se destina à requalificação dos passeios junto à marginal, cujas obras aliás já começaram.

Julgo que todos aplaudem esta iniciativa, só não percebemos é a total ausência de informação no local. Se não há nada a esconder, porquê estes "mistérios"?

Começou a limpeza para a fase 2?

Como os utilizadores do Jamor já repararam, foi feita uma grande "limpeza" junto à pista de corta-mato, incluindo corte de parte do canavial.

Tendo em conta que essa zona seria abrangida pela fase 2 do campo de golfe, cujas obras estavam previstas para começar daqui a umas semanas, já entregámos um requerimento no tribunal, alertando-o para o novo incumprimento da providência cautelar por parte do IDP e pedindo que seja aplicada a correspondente multa.

É que dificilmente se poderá dizer que se trata de "limpeza e requalificação da mata"!

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

A área afecta ao projectado campo de golfe

Tal como prometido, vamos começar a publicar esclarecimentos sobre algumas matérias em causa no processo judicial. O que vamos divulgar decorre das informações dadas pelas outras partes (nomeadamente o IDP e a FPG) ao tribunal.


E vamos começar pela tão falada área que seria ocupada pelo campo de golfe. Estavamos convencidos que o campo de golfe ocuparia 22 hectares, pois essa era a área referida nas notícias da comunicação social.

Sabemos agora que os tais 22 hectares só correspondem à fase 1 e, aliás, são mais de 22, devendo muito provavelmente rondar os 24 hectares. Se somarmos a esta área a que seria ocupada pela fase 2, estamos a falar numa área total perto dos 34 hectares, ou seja, cerca de 340.000 metros quadrados!

Posto isto, teríamos cerca de metade de todo o vale e cerca de 14% de todos os terrenos do Jamor (que têm uma área total de 240 hectares) afectos a uma única modalidade. É caso para dizer que há uns que são filhos e outros enteados...