quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Boas Festas!

A Liga dos Amigos do Jamor deseja a todos um Feliz Natal e um ano de 2011 cheio de muitas alegrias!

No nosso sapatinho, gostaríamos de ver menos ou nenhum atentado ao ambiente e às populações projectado para a zona do Estádio Nacional (campo de golfe, Porto Cruz, Alto da Boa Viagem, passeio ribeirinho até Algés, viaduto de Pedrouços à Cruz Quebrada dentro do Tejo...), bem como a resolução definitiva da questão do campo de golfe.

Quanto a este último aspecto, gostaríamos de ver reabrir o Driving Range, bem como a reabertura de todos aqueles terrenos às populações, que estão dele privadas há demasiado tempo, e a retirada das toneladas a toneladas de terra que lá colocaram e que só agravam o risco de cheia para a zona baixa da Cruz Quebrada e do Dafundo.

Será pedir muito?

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Novo site!

Conseguimos finalmente pôr de pé um projecto há muito acalentado: termos o nosso próprio site! Entrou hoje online, depois dum período experimental de duas semanas.

Neste novo site, podem consultar documentação sobre a Liga dos Amigos do Jamor, bem como sobre os vários dossiers que temos em mãos. Podem também aceder às fichas de inscrição de sócios, já que vamos começar a aceitar novos sócios, o que ainda não tínhamos começado a fazer por manifesta falta de capacidade - infelizmente, quase toda empregue nos processos judiciais a que nos vimos obrigados por força das circunstâncias...

Esperamos assim que 2011 venha a ser o ano de alargamento e consolidação da Liga dos Amigos do Jamor, cuja intervenção tem sido fundamental para preservar e defender a zona do Estádio Nacional!

O link para o nosso site é: www.ligadosamigosdojamor.com

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Época natalícia

Em consonância com o espírito desta época, adoptámos hoje cores natalícias. Esperamos que gostem!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Coincidências

Confessamos que a menção do campo de golfe do Jamor a propósito da candidatura de Portugal à organização da Ryder Cup em 2018 nos deixou intrigados. Depois da reacção inicial ao que nos dizia directamente respeito, ou seja, as obras do campo de golfe do Jamor estarem paradas, resolvemos investigar um pouco mais. E que descobrimos?

Bom, o Presidente da Comissão Executiva da candidatura à Ryder Cup é Manuel Pinho, o nosso ex-Ministro da Economia. Foi precisamente este ministro quem viabilizou financeiramente o campo de golfe do Jamor, ao decidir um generoso contributo para o mesmo por parte do Instituto de Turismo de Portugal.

O local escolhido para a organização da Ryder Cup é a Herdade da Comporta. Este projecto tinha recebido um PIN (licença para passar por cima da legislação ambiental e de ordenamento do território) aprovado precisamente pelo mesmo Manuel Pinho, quando era Ministro da Economia.

A candidatura da Herdade da Comporta foi escolhida em detrimento de outras, nomeadamente no Algarve, onde os campos de golfe e os hotéis já existem, ao contrário da Herdade da Comporta. Esta escolha foi feita pela tal Comissão Executiva da Candidatura.

Entre os outros intervenientes de relevo neste processo, fomos encontrar também o Presidente da Federação Portuguesa de Golfe e o Secretário de Estado da Juventude e Desporto.

É claro que o facto de estarmos a falar de golfe justifica, por si só, os intervenientes serem os mesmos, mas também mostra outras coisas em comum.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Não percebe???


O Presidente da Federação Portuguesa de Golfe (FPG) declarou recentemente à comunicação social que não percebia porque é que as obras do campo de golfe do Jamor não avançavam.
Nós percebemos. É que o tribunal disse para pararem. Isso, por um lado. Por outro, é porque estão em causa terrenos em leito de cheias, do domínio hídrico público integrantes da REN e obras sem licenciamento algum. Está também em causa um campo de golfe que nem sequer tem água suficiente assegurada para regar a relva e cuja sustentabilidade financeira tem muito que se lhe diga. Está também em causa a gestão de bens públicos, que deixou de ser o que era desde que foi publicada a nova legislação - agora é um pouco mais difícil entregar bens públicos a privados (como a FPG) e isso causa alguns "constrangimentos".
Depois, nós não estamos na disposição de "deixar passar em branco" e alguém (entre os que teriam de abrir os cordões à bolsa para financiar este projecto totalmente inútil e desnecessário) já deve ter também percebido que provavelmente iremos ganhar em tribunal e todo o dinheiro que empatarem nessas obras acabará por ser perdido. Por fim, como justificar politicamente a despesa de milhões de euros numa obra desta natureza, na situação em que se encontram as nossas finanças públicas?
As declarações do Presidente da FPG foram feitas a propósito da candidatura de Portugal à organização da Ryder Cup, uma grande competição de golfe a nível mundial, para 2018. E onde iríamos nós organizar esse evento? No Algarve ou na Costa de Lisboa, onde existem dezenas de campos de golfe e milhares de camas em hotéis? Não! Estamos a candidatar-nos para o organizarmos na Comporta, onde as infra-estruturas necessárias só existem no papel e na cabeça de quem lidera esta candidatura.
Isto é que nós não percebemos. Supomos que o comum dos mortais e os responsáveis dos hotéis e dos campos de golfe do Algarve e da Costa de Lisboa também não. Mas devemos ser nós que não estamos a ver bem.