domingo, 13 de fevereiro de 2011

Incidentes com cães no Estádio Nacional




Os cães no Estádio Nacional têm levantado alguns problemas e é disso que vamos falar hoje. Por um lado, aparecem bastantes animais perdidos/encontrados; por outro, há muitos donos que não se portam como deviam...


Quanto ao primeiro problema, nunca é demais lembrar que o primeiro passo para um animal não ficar perdido é o dono ter o cuidado de o identificar. Basta mandar gravar uma medalhinha ou, se não estiver para isso, escrever o seu número de telefone com um marcador permanente na coleira (por dentro ou por fora). É claro que temos também de vos lembrar aqui que a identificação dos cães através da colocação dum chip electrónico é obrigatória por lei!


E agora, vamos ao comportamento pouco civilizado de alguns donos. A primeira coisa que há a dizer é que é obrigatório os animais andarem à trela nos espaços públicos e que o Complexo Desportivo Nacional do Jamor é um espaço público.


Se toda a gente entende que deixem o vosso cão correr solto durante algum tempo, já ninguém compreende que o deixem incomodar quem passa, nomeadamente correndo atrás doutras pessoas ou bicicletas ou muito menos mostrando-se agressivo ou mordendo pessoas ou outros animais.


Por isso, das duas uma: ou o vosso cão está ensinado e sabe comportar-se e podem soltá-lo, mantendo sempre a devida vigilância, ou não sabe e têm de o manter rigorosamente à trela... Mesmo os cães bem comportados só devem ser soltos se não houver realmente nenhum risco de incomodarem outras pessoas e animais.


Lembramos também que devem apanhar os dejectos ou, pelo menos, os que fiquem nos caminhos. Escusamos de vos dizer que ninguém gosta de ter de esfregar o pezinho nas ervas a ver se se consegue ver livre do indesejável presente e do não menos incomodativo cheiro...


O Estádio Nacional cada vez é usado por mais pessoas e animais e seria desejável que se conseguisse manter uma convivência harmoniosa entre todos, humanos e cães. Naturalmente que que se a chuva de queixas continuar vão ser os cães a serem sacrificados e postos na “rua”. Por isso, que tal ser mais civilizado daqui para a frente? Afinal, se gostam de passear lá o vosso cão, cabe-vos garantir que tudo corre bem!






Mais um cão perdido!

Este cachorro foi encontrado desorientado na Mata do Estádio Nacional, no dia 30 de Janeiro. Tem cerca de 8/10 meses, é super brincalhão, asseado e nitidamente habituado a estar em apartamento, sociável com outros cães e com pessoas.

Caso esteja perdido, procura-se o seu legitimo dono ou nova família que o estime como merece. Contacto para adopção: Fernando fvallereolmo@googlemail.com
Este assunto dos cães no Estádio Nacional continua a dar muito que falar, tanto em termos de animais perdidos/encontrados como em termos de incidentes, pelo que iremos brevemente tratar deste assunto num artigo de fundo. Até lá, por favor sejam conscientes com os vossos cães e não os deixem andar soltos sem vigilância apertada e não se esqueçam de os identificar: uma simples medalinha gravada ou um número de telefone marcado na coleira com marcador permanente é o suficiente!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Orientação este sábado

É já no próximo sábado às 9h30m que o CPOC vai organizar mais uma actividade gratuita de introdução à Orientação no Jamor, destinada a pessoas de todas as idades e com todos os níveis de conhecimento da matéria.

É um excelente pretexto para mais um passeio pela linda mata do Estádio Nacional. Apareçam!

Mais informações aqui:

http://www.cpoc.pt/eventos.php?ev=Oeiras37

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Piscinas do Jamor - continua a pouca vergonha!


A Liga dos Amigos do Jamor foi informada de que as ilegalidades na contratação dos monitores de natação do Complexo de Piscinas de Jamor não só continuam, como se alargaram aos monitores da sala de exercícios...

Algumas pessoas talvez já estejam esquecidas, mas aqui há cerca de 2 anos atrás, o IDP "despediu" sumariamente vários monitores de natação, alguns dos quais aguardam o desfecho das acções que puseram em tribunal. Os que ficaram, passaram a contratos de avença (recibos verdes), mudando de empresa dia sim, dia não, ao sabor das várias empresas de outsourcing (uma forma moderna de escravatura) que se vão sucedendo no "fornecimento" de monitores ao IDP, como se de simples pãezinhos se tratasse.

Neste momento, não sabem para quem trabalham, nem sequer se serão pagos... É este mesmo Estado que apregoa aos quatro ventos que quer acabar com o "flagelo" dos recibos verdes que recorre a estratagemas dignos dos senhores da Idade Média... Os modernos servos da gleba têm pouca escolha: ou se calam e aceitam trabalhar sem chiar, ou vão para a rua!

Por outro lado, também fomos informados que as máquinas de ozono que deveriam assegurar o tratamento da água das piscinas estão avariadas há muito e que não há dinheiro para as arranjar. Por isso, a água está a ser tratada só com cloro, sem que os utentes tenham sido avisados desse facto. Irrelevante? De forma nenhuma! Há muitas pessoas que recorrem às piscinas do Jamor precisamente por estas supostamente serem tratadas com ozono, já que são alérgicas ao cloro. Fica assim explicada de vez a estranhíssima cor verde da água e a espuma que tanto tem intrigado os utentes...

Como se este panorama desolador não fosse suficiente, a piscina olímpica continua um autêntico cemitério de pastilhas elásticas e objectos diversos. Continuam a haver vários azulejos partidos no fundo, em que mais do que um utente já se cortou. O mofo que cobre as paredes daqui a pouco é tão denso que vai poder ser vendido a metro para fazer tapetes...

É este o país que temos. Houve e há dinheiro para encher os corredores de posters, as paredes de LCDs gigantes para os quais ninguém olha, sofás que poderiam ser dispensados, um ginásio infantil que é muito engraçado mas costuma estar às moscas e pôr plantas novas na envolvente, entre outros "melhoramentos", mas não houve nem há dinheiro para tratar os monitores com dignidade, limpar as piscinas (tanques e paredes) e arranjar o fundo da piscina olímpica e as máquinas que fazem o tratamento da água com ozono.
Mostra bem as prioridades de quem manda no Complexo de Piscinas do Jamor. A preocupação máxima é ficar bonito para a fotografia; tomar banho e lavar os dentes são coisas de somenos importância.