quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Cidade do Futebol ou Cidade da Loucura Colectiva?




A CIDADE DO FUTEBOL


A Liga dos Amigos do Jamor ficou chocada com o anúncio da construção da "Cidade do Futebol" projectada para terrenos do Complexo Desportivo do Jamor (Estádio Nacional), feito no passado dia 5 de Agosto pelo Presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) com a bênção da Câmara Municipal de Oeiras e do Ministro Relvas. Não ficou surpreendida porque há muito que se habituou aos desmandos dos ministros que sucessivamente têm tutelado o desporto em Portugal, bem como à promiscuidade existente entre interesses vários escondidos sob a capa do "desporto" e a política.

Nos últimos tempos, os terrenos do Estádio Nacional têm sido alvo de variadíssimos ataques por parte de interesses privados e menos claros, com a ajuda sempre prestimosa da Câmara Municipal de Oeiras, do IDP e da administração central. Neste contexto, devemos lembrar os projectos imobiliários megalómanos conhecidos por Porto Cruz e Alto da Boa Viagem, bem como o campo de golfe do Jamor, construído em terrenos públicos com dinheiro dos nossos impostos e entregue de mão beijada à Federação Portuguesa de Golfe (FPG) para que esta o "explore" e alegadamente "promova o golfe". A estes projectos, vem juntar-se agora um quarto, a Cidade do Futebol!

Nestes quatro casos, o princípio é sempre o mesmo: terrenos públicos, de todos nós, postos ao serviço de interesses privados de alguns privilegiados próximos das classes políticas dirigentes, com avultados prejuízos para o património do Estado, para as populações e para o ambiente. No caso dos projectos Porto Cruz e Alto da Boa Viagem, tudo se faz a coberto de argumentos de "progresso, desenvolvimento e criação de emprego". No caso do campo de golfe oferecido por todos nós à FPG, como no caso da projectada Cidade do Futebol, cujos terrenos tudo indica que iremos oferecer à FPF, tudo se faz a coberto de argumentos de "promoção do desporto".

Ora, o que está por trás de tudo isto é sempre o mesmo: apropriação por particulares de terrenos que são, sublinhe-se, terrenos públicos, sob o alto patrocínio dos autarcas e governantes que têm por missão proteger esses mesmos terrenos e em prejuízo das populações!

A Cidade do Futebol é, na realidade, apenas mais uma peça no desígnio último de lotear e retalhar os terrenos públicos integrantes do Estádio Nacional. Já há um campo de golfe, vão ceder-se vários hectares da mata para construir acessos rodoviários aos empreendimentos Porto Cruz e Alto da Boa Viagem, vão ceder-se vários hectares da mata para estacionamentos ao serviço do Alto da Boa Viagem e, agora, vão ceder-se vários hectares à FPF para que esta tenha uma "casa das selecções" há muito sonhada...

Posto isto, é caso para dizer que estão todos de mãos dadas, dos promotores imobiliários aos seus financiadores, dos senhores do golfe aos do futebol, passando pelo executivo camarário de Oeiras, pelos dirigentes do IDP e pelos vários ministros que têm tutelado o desporto, em que o que se encontra actualmente em funções, o Ministro Relvas, não é excepção.  

Na actual conjuntura económica, a Liga dos Amigos do Jamor entende ainda que se faz falta uma "casa das selecções" e se a FPF tem os muitos milhões necessários para a sua construção, o país provavelmente veria  com bons olhos que se fosse promover o futebol para outro lado, por exemplo junto a um dos vários estádios abandonados que financiámos com os nossos impostos e que sobraram do Euro 2004, promovendo assim simultaneamente a descentralização e o desenvolvimento regional, criando ainda emprego em zonas deprimidas do país.

 

10 comentários:

  1. Mais um autentico escândalo e um roubo!
    Portugal está a saque!
    Isto só lá vai com uma mudança profunda de política.
    Enquanto se continuar a votar sempre nos mesmos, numa alternância ruinosa para Portugal, isto não vai melhorar.
    Vou dar destaque a este assunto no UK no Facebook e não só!


    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo Jorge Branco, só que não é de agora que temos o país a saque... infelizmente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente não é! Enquanto continuarem a mudar só as moscas!...

      Eliminar
  3. Acabam por lapidar/rapinar todo aquele espaço que é nosso e onde provavelmente será afectado inclusivamente algum espaço utilizado normalmente por quem corre e faz daquele local algum aproveitamento dos seus tempos livres e lazer. Lembrar-me eu que ainda à pouco tempo se serviram de nós atletas para promoverem o Futebol e outros fins que não os nossos, ora aí está "se quizerem correr têm toda a Marginal" dirão eles penso eu. Os lacaios "oficiais mencionados" estão lá para isso mesmo, servir amigos e quejandos, o resto é conversa. Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que ouvi dizer aquilo vai ocupar o local onde esteve a bela e excelente pista de cross que agora se encontra totalmente abandonada!
      Este foi mais um crime deixarem ao abandono a pista de cross. Se calhar a ideia já era entregar aquilo as senhores do futebol!

      Eliminar
  4. Uma parte sim, parece que vai ficar onde estão as ruínas da Quinta do Balteiro e imaginamos que também abranja a pista de cross. O resto (a maior parte) fica, supomos pela maquete, nos actuais estacionamentos conhecidos por estacionamentos de Caxias, já do outro lado da estrada entre a Marginal e a A5/CREL.

    ResponderEliminar
  5. Mas porque é que o PSD/CDS sempre que vão para o Governo tenta roubar mais um bocado do Parque do Jamor? Já é embirração... No fundo, é o reflexo natural daquela maneira de pensar que são donos disto (é o mesmo "tique" fascista do tempo da outra senhora), e que o governo pode pôr e dispôr do bem publico. Não, eles não são donos disto! Podem administrar o Estado mas não podem usar a seu bel prazer aquilo que pertence a todos, o BEM PUBLICO. E o Parque do Jamor é um dos mais precisos bens publicos que nos restam.

    ResponderEliminar
  6. Não é um exclusivo do PSD/CDS... o anterior governo, que era PS, entregou vários hectares (hoje em dia já vedados e apropriados) à Federação Portuguesa de Golfe, pela mão de Laurentino Dias. Isto não tem nada a ver com partidos, nem com o golfe ou o futebol, mas sim e exclusivamente com dinheiro feito à conta de terrenos públicos e que entra nos bolsos de particulares.

    ResponderEliminar
  7. Quais as medidas concretas desta associação? Podem contar com a minha participação. Há mais de 30 anos que frequento o estádio. Continuo a adorar o lugar que melhorou muito, e agora levo os meus filhos com enorme prazer. É um dos melhores locais da area metropolitana de lisboa. Contem comigo para o que for possível e para impedir que filhos da puta o usurpem, o limitem e o destruam. Filhos da puta escudados pelo interesse publico. Esses filhos da puta que nos desrespeitam todos os dias.

    ResponderEliminar
  8. Muito obrigada pelo seu comentário. Não foram tomadas medidas concretas quanto a esta caso porque, para já, não há muito mais do que declarações de intenções. Isso tem-se verificado repetidamente, por exemplo com o ténis. Por isso, para já, estamos a aguardar para ver. Temos alguma fé de que uma ideia tão disparatada fique no sítio de onde não devia ter saído: a gaveta!

    ResponderEliminar